Tudo muda...


...Quando você decide negar a si mesmo e renunciar certas coisas. Carregar a cruz não é apenas um slogan ou uma frase de efeito, é uma atitude diária de comprometimento e de amor com Aquele que primeiro nos amou. É abrir mão de tudo que nos impede de prosseguir pro alvo de maneira integral.
Negar a si mesmo é um estilo de vida, porque não fazer certas coisas é complicado, mas a alegria de saber que a escolha certa foi feita compensa o sacrifício. E isso não em algumas situações. Mas em tudo. RENÚNCIA.
Quem não renuncia a tudo não pode ser um discipulo.
Lembra daquele carinha rico que queria seguir Jesus, mas não queria abrir mão das suas riquezas? Eu me pergunto o quão diferente dele nós somos. E será que somos?
Se amamos tanto a Jesus como dizemos, cantamos e twitamos, por que o nosso primeiro pensamento ao acordar não é ele? Por que o vizinho ao lado continua levando a vida que leva? Por que consumimos nossa energia em qualquer outra coisa ao invés de gastá-la, ou melhor, investí-la, buscando a Deus?
Temos que pagar o preço. Sacrificar vontades. Encarar de frente o que nos é proposto. Enfim, sofrimento é necessário, porque nele nele somos aperfeiçoados. Nele somos transformados. É a terra da transição. O deserto.
Um lugar onde, nunca, jamais, de forma alguma, se deve abrir mão de carregar a cruz.
Jesus já pagou o maior preço, mas agora é a nossa vez de tomar nossa cruz e seguir.
A tenha certeza, com isso, TUDO MUDA!

Marcos Vinícius

Um comentário:

somos nós disse...

Sermão do morro!


Você já imaginou o carnaval com todos aqueles carros alegóricos, porta bandeira, mestre sala, mestre cozinha, bateria e tudo a que se tem direito.
Tudo menos ele: o samba enredo!
Pense agora em uma festa Junina. Tem fogueira. Tem toda aquela gente bonita com o dente sujo de carvão, chapéu de palha e maçã do amor! Só não tem a quadrilha…
Se é tão difícil visualizar essas festas populares sem o que realmente importa, por que comemoramos a Páscoa dessa forma?
Vamos lá, isso aqui não é nenhum sermão do morro!
Eu mesmo por muito tempo acreditei que a páscoa era sinônimo de chocolate na sexta e dor de barriga no domingo!
Levei um tempo pra enteder que o verdadeiro significado da páscoa não está nas espinhas, que vem de brinde, mas na vida eterna que eu recebo de graça.
Ele morreu e ressuscitou por nós. Nos deu a vida eterna!
Jesus Cristo!
Não deixe de comer chocolate nessa data. Mas lembre-se do mais importante: Alguém fez o impossível por você!

Feliz páscoa!